quarta-feira, 24 de novembro de 2010

História do Japão. Da Idade da Pedra de 20 mil a.C. a 538 d.C.

O arquipélago japonês fazia parte da placa asiática. Isso deve ter acontecido há mais de 100 mil anos. Nesta época, supõe-se que a faixa de terra, que viria a se tornar o Japão, era habitada. Para confirmar esta hipótese, foram encontrados esqueletos fossilizados de homens e animais, inclusive de elefantes pré-históricos.A existência desses animais teria provocado a migração dos povos do norte para o Japão.O período datado a partir de 20 mil a.C. é conhecido como pré-Jomon. Os habitantes do Japão viviam da caça e da pesca, utilizando-se de instrumentos de pedra, conseguidos através do lascamento. Pode-se dizer, era o período da pedra Lascada ou Paleolítico.

Entretanto, outros artefatos desenvolvidos na Era Jomon devem ser considerados. Os homens inventaram armas como o arco, a flecha e a lança, úteis para a caça. Técnicas mais apuradas de caça foram criadas nesta época. De todos os aperfeiçoamentos, talvez o maior tenha sido a cerâmica. Potes de barro, magnificamente torneados e depois desenhados em relevo com uso de cordas, serviam para o cozimento de alimentos e para o seu armazenamento.O nome Jomon vem daí: quer dizer, marcas de corda.
No período Jomon haviam tribos, portanto os habitantes compartilhavam um espaço comum. A vida organizada já fazia parte do homem de Jomon. Viviam em casas feitas de galhos de árvores e cobertas com palha que ficavam em valas cavadas na terra. Para alimentação, os habitantes costumavam partir os ossos grandes dos animais para extrair o tutano. O javali era caçado para se conseguir a gordura, produto indispensável para a fabricação do óleo. Do veado, conseguia-se a pele para o vestuário de inverno.Animais domésticos como o cão, foram incorporados rapidamente à comunidade. Eram usados durante as caças. É desta época a evolução dos cães japoneses, entre os quais os de raça Shiba. Quanto ao gato, acredita-se que teria vindo de outras regiões. O mesmo acontecendo com o porco e o cavalo. Mas os dois últimos foram introduzidos no Japão no período que se segue ao Jomon, a Era Yayoi.
O que irá separar o período Jomon do Yayoi é o início da cultura do arroz, período este que inicia-se um ou dois séculos antes de Cristo. A cultura do arroz vem acompanhada de uma migração vinda do continente, jamais vista até então. Técnicas mais avançadas são introduzidas. O metal passa a ser utilizado junto com a pedra polida. Utiliza-se espadas feitas de bronze e espelhos de metal nos rituais religiosos. Instrumentos agrícolas são incrementados a partir do metal e da madeira.Mas foi a cultura do arroz que provocou modificações profundas na vida social, política e econômica dos aldeões. Como o cultivo do arroz exigia um trabalho coletivo, houve a divisão do trabalho e, conseqüentemente, as diversas divisões de classe, surgindo uma classe dirigente. Os imigrantes tomaram-se integrantes da corte e de clãs poderosos. Em caso de guerra, eles conseguiam vencer os nativos, com facilidade. E suas aldeias prosperam mais do que a dos antigos moradores. A par com a cultura do arroz, estes migrantes, que trouxeram as técnicas de tecelagem, costura e criação do bicho da seda, formaram grupos de trabalho, o dos artífices, para a manufatura de instrumentos de metais, o dos comerciantes, vendedores de potes de barro e, por fim, o dos agricultores. Este fluxo migratório se fixou notadamente ao sul do Japão.
A partir de Yayoi, e o que viria a se tornar depois o Japão, germinam os alicerces de uma cultura agrária e tribal fundamentada na formação de pequenos estados. Documentos chineses da dinastia Han referem-se a um "país de cem reinos". Estes reinos localizar-se-iam ao norte de Kyushu, uma das quatro ilhas que formam o arquipélago nipônico. As guerras internas assolavam os reinos de Kyushu. A paz só foi conseguida com o entronamento de uma mulher, a rainha Himiko, possivelmente no ano de 188 d.C. Como rainha, Himiko unificou 28 nações sob o nome de reino de Yamatai. Estas informações constam dos documentos chineses. Diz, por exemplo, que Himiko tinha poderes sobrenaturais. Ela conseguia prever se a safra de arroz seria boa, e em caso de guerra, se Yamatai sairia vencedor. As adivinhações eram feitas queimando-se pedaços de ossos. Pela rachadura produzida, podia se prever os acontecimentos.Com a morte de Himiko, as guerras voltaram a acontecer. Havia a necessidade de alguém que mantivesse a unificação de Yamatai. Portanto, diante do impasse, foi escolhida como sucessora, Iyo, de apenas 13 anos. Assim, Yamatai continuou existindo. Outro fato importante acontecido no período Yayoi é a consolidação do país de Yamato, no século IV. Yamato localizava-se ao lado do rio, do mesmo nome, nas proximidades da atual província de Nara, na ilha central de Honshu. Yamato consegue dominar as nações do norte de Kyushu, as do vale de Yamato e as de Izumo. O chefe de Yamato recebe o nome de Okimi ou Oaiwô (grande rei), e posteriormente, passou-se a denominá-Io Tennô (imperador). Os indícios levam a crer que a origem dos imperadores japoneses esteja em Yamato.Dos tempos de Yamato, o que o Japão conserva ainda são os gigantescos túmulos, conhecidos por Kofun(Ryô). O mais famoso é o do imperador Nintoku, na cidade de Sakai, em Osaka. Os imperadores eram enterrados junto a artefatos feitos de argila, o haniwa. Constitui-se o haniwa de réplicas, em miniatura, de casas, cavalos e seres humanos.Em pleno explendor, Yamato mandou chamar do continente (China e Coréia) artesãos para ensinar os japoneses. Mas de todos os ensinamentos, quem sabe, os mais importantes foram o budismo e a escrita em forma de ideogramas, o kanji.
Do príncipe Shotoku ao período Heian - de 604 a 1192. A partir da consolidação do reino de Yamato, o Japão começa a tomar forma como um Estado unificado, cabendo aos dirigentes esta unificação. Aquele que vai dar um passo grande neste sentido é Shôtoku Taishi. Saímos do período Yayoi, mais precisamente de sua fase tardia, Kofun (o dos grandes túmulos, de 300 a 391), para o período Assuka. A introdução do budismo se dá neste período.Intensifica-se as relações com o continente, no caso, a China. Entretanto, Yamato vivia constantes guerras pelo poder. No reinado da imperatriz Suiko surge a figura de Shôtoku (séc. VII). Ele assume a regência e promove diversas mudanças na máquina administrativa. Baixa um decreto no qual os servidores públicos são divididos em doze categorias. Também promulga a "Constituição de Dezessete Artigos", cuja finalidade é disciplinar o trabalho dos funcionários público, tendo por base os ensinamentos do educador chinês Confúcio.Buscando inovações, Shôtoku torna-se um adepto do budismo. Com entusiasmo, dedica-se a difundir a doutrina de Buda. Ele próprio possui mestres vindos da Coréia para ensina-lo. Um grande contingente de coreanos dos reinos Kokuli e Paikché, dentre monges, estudiosos e artistas fixam residência no Japão. Os templos budistas proliferam e as famílias aristocráticas disputam entre si a sua construção. O mais famoso, o de Hôryuji, fica na cidade de Nara e foi construído por Shotoku Taishi.



Fonte:www.culturajaponesa.com.br

Fotos:Hana

10 comentários:

  1. Em Ribeirão Preto, existe o Jardim Japonês. Quando entramos lá parece que estamos no Japão, pois suas fotos são idênticas.
    Tudo lembram de você!

    ResponderExcluir
  2. Imaginava um pais voltado para a industria.
    Os jardins e a história que nos narra é maravilhosa.
    Desejo-lhe muita sorte neste novo blogue assim como grandes amigos e trabalhos brilhantes e edificantes.

    ResponderExcluir
  3. Que legal esse blog que vai mostrar o Japão e sua cultura .

    Muito bom!parabéns!beijos,chica

    ResponderExcluir
  4. Para vir aqui, tem de ser dom calma, pois tem
    muito para ver...e o tempo é pouco...Voltarei.
    Beijo

    ResponderExcluir
  5. Apaixonadamente encantada querida Hana...

    O quanto a história é importante para compreender um povo. O quão rica é a cultura dessa gente batalhadora e sonhadora!
    Menina, terei que voltar mil vezes mais para conseguir absorver tudo o que este texto traz!

    É rico por demais.... Parabéns, parabéns com mil estrilinhas pra ti!

    ResponderExcluir
  6. Muito lindo esse seu espaço minha querida, é muito bom a gente poder conhecer uma cultura tão diferente como a do Japão, sempre muito bom...grande beijo de bom dia.

    ResponderExcluir
  7. Olá Ana!
    Gostei muito deste espaço, e assim fiquei a conhecer mais um pouco do Japão, e como o saber não ocupa lugar, aqui a virei mais vezes visitar.

    um beijinho,
    José.

    ResponderExcluir
  8. A ISTO CHAMA-SE FOTOJORNALISMO...NÃO TIVE TEMPO PARA LER TUDO MAS ESTÁ MUITO BEM DOCUMENTADO...
    OS MEUS PARABÉNS ...DEPOIS FAREI UMA LEITURA MAIS CUIDADA...OBRIGADA PELO CONVITE.

    BEIJINHOS

    ResponderExcluir
  9. Muito bom teu espaço, hana e a beleza da diferença entre eles e nós.

    O teu texto sobre a história do Japão dá sabedoria Oriental daquele,
    Oriente, bramânico, síntoista, longínquo,pomposo
    e budista.

    Talvez não o chegue a ver, mas entretanto volto com mais tempo e leio uma vez e outra vez e mais
    outra e vou aprender.

    Grata por te conhecer!

    Com saudade,

    Maria Luísa

    ResponderExcluir
  10. Hana, Hana...
    isso não é um blog! É um SHOW!
    Que coisa mais linda, cheio de cultura e lindas imagens, passando os bonitos valores da cultura japonesa (pq todo lugar que vc vê, só mostram o que tem de pior daqui, né, isso é triste)
    Eu ADOREI!
    Vc tá de parabéns, já conte comigo como fã do seu espaço e de vc, que é um ser humano maravilhoso.
    bjs

    ResponderExcluir